A cobertura da mídia pode aumentar muito o seu perfil e ajudar a construir a reputação, credibilidade e confiança da sua marca ou empresa. Não diga a um repórter que pretende aprovar o que ele escreve ou que tem um exclusivo quando na verdade vai espalhar a história para outros jornalistas. Isto só vai prejudicar a sua credibilidade. Merecer atenção de jornalistas é uma coisa, falar com eles, é outra. Confundir as duas coisas pode colocar a sua reputação e a do seu negócio.

Aqui estão 12 coisas que você não deve dizer a um jornalista:
1. “Quero aprovar a estória antes de publicá-la”
É verdade que você deseja uma redacção favorável a sua empresa ou negócio. Quem não gostaria? Infelizmente, o jornalista não lhe deve lealdade. A lealdade do jornalista é devida aos leitores, telespectadores e ou ouvintes. Lembre-se que, enquanto pode controlar a informação que fornece a um jornalista, infelizmente não pode controlar o que ele faz com ela. Portanto, nunca peça para ver a peça antes de publicar. Apenas limite-se a comunicar com clareza de forma que não haja espaço para má interpretação.

2. ” Off the record “
Muitas vezes as pessoas não percebem o que significa a frase “off the record”. Muitas pessoas acham que isso significa que o jornalista não pode identificá-lo como fonte. Se bem que o jornalista não pode chamá-lo por nome, ele ainda pode fazer referência ao seu sexo, cargo e para quem trabalha. A combinação destes elementos pode torná-lo reconhecível. Portanto, ao falar “off the record”, tenha sempre em mente que a informação pode cair na imprensa e você pode ser facilmente identificado. Se quer desabafar não fale a jornalistas como profissionais nem lhe diz que é off the record. Simplesmente não diga nada que não gostaria que viesse à tona na imprensa. Off the record apenas ajuda a omitir o seu nome e nada mais para além disto está garantido.

3. “Sem comentários.”
Mais uma vez, o “sem comentários” cheira a culpa e sugere que você tem algo a esconder. Há muitas maneiras de lidar com uma entrevista mas “sem comentários” não é uma delas. Além de sugerir a culpa, “sem comentários” também incentiva que o jornalista investigue mais até ele encontrar a resposta que o satisfaça. E ai é onde está o perigo. Pode encontrar coisas completamente diferentes, até aquelas que nem imaginava que pudessem interessá-lo. Sem comentários levanta suspeita. Não alinhe por aí.

4. Uma mentira
Não há desculpa para a mentira, mesmo se você está sob pressão extrema durante uma entrevista. Se você não tiver resposta a uma pergunta, não há nenhum problema em admitir isso e dizer que voltará com uma. O importante é dar seguimento e fornecer as informações que prometeu. Se mentir, entrará num buraco do qual dificilmente conseguirá sair.

5. “Aqui está a estória que deverá escrever.”
Um jornalista não está interessado em si ou na sua empresa como tal, mas em novidades e ideias que irão informar, educar e engajar seu público. Os repórteres estão sempre interessados em estórias com interesse humano e principalmente aquelas que informam como as suas audiências serão afectadas com a notícia. Dizer a um jornalista o que deve escrever é uma maneira infalível de garantir que ele ignore todas suas futuras tentativas de relacionamento com ele.

6. “Eu tenho um exclusivo” quando na verdade você pretende entregar a estória a outros jornalistas
Os jornalistas gostam de exclusivos. É algo que pode catapultar a sua carreira. Se tiver uma estória e pretende divulgá-la o mais amplamente possível, deve decidir se vai entregá-la como um exclusivo ou não, mas nunca dizer que se trata de um exclusivo quando logo de seguida espalha-a para toda a sua lista de contactos. Há vantagens e desvantagens para cada caso. Pode, com sorte beneficiar de uma cobertura mínima mas a longo prazo pode simplesmente parar no caixote do lixo. Exclusivos são preferíveis.

7. Uma promessa que não pode cumprir
Jornalistas trabalham pressionados. Seja leal à sua promessa. Seja claro nos prazos, não promete em demasia.

8. Você vai entregar a estória a outro jornal/jornalista concorrente
Existem muitas razões porque um jornalista pode não publicar a sua história: o tempo, o espaço disponível na publicação, falta de interesse humano ou histórias semelhantes que já foram cobertas. Nunca deve tomar isso como sinónimo de recusa pessoal. Melhor é tentar descobrir as razões da não publicação para melhorar na próxima oportunidade.

9. “Eu não posso dar a entrevista.”
Sempre que um jornalista lhe aproximar para uma entrevista decida se é bom para si e sua organização. Se, entretanto, emitiu um comunicado de imprensa, você precisa estar disponível para entrevistas. É frustrante para um jornalista ser presenteado com uma oportunidade de estória para depois descobrir que os principais contactos estão indisponíveis. Não há desculpa para isso.

10. “Está tudo no comunicado de imprensa. Leia lá isso, é tudo o que temos a dizer”.
Hello, os jornalistas estão sob extrema pressão e só podem fazer leituras superficiais aos seus comunicados. Eles querem mais é falar consigo para completarem a sua estória. ATENÇÃO, lembre-se que objectivo de um comunicado de imprensa é fazer com que um jornalista entre em contacto consigo. Aproveite ao máximo quando ele lhe aproximar.

11. ” Você não deveria ter escrito assim sobre a minha organização”
É angustiante quando a imprensa não o apresenta da forma justa. Nestes casos, ponha a emoção de lado e pergunte a si mesmo se os factos relatados são precisos e se foi claro durante a entrevista com o jornalista. Há espaço para o exercício do direito a resposta. Mas também não queira que a imprensa o tome como alguém que reclama toda hora.

12. Qualquer coisa que você disser a um jornalista é válida
Quando uma entrevista chega ao fim e o jornalista desliga o gravador ou microfone e você ainda continua falando com ele. Nestes caso, nunca assuma que a entrevista acabou só porque o viu a desligar a sua máquina até que vocês estejam totalmente separados um do outro. O jornalista pode relatar o que você disse após a entrevista. Tem havido muitos casos, de até altos dirigentes que viram sua reputação danificada como resultado deste tipo de erros. Não caia nessa armadilha. A entrevista com o jornalista termina quando lhe ver entrando no seu carro, ou você já longe deles. Enquanto eles poderem ouvir a sua voz, está tudo on the record. Aproveite o máximo falando com eles mas evite estas armadilhas comuns para manter sua reputação intacta e construir relacionamentos duradouros.

 

One thought on “12 procedimentos prejudiciais na sua relação com jornalistas

Comments are closed.